sábado, janeiro 07, 2012

Injustiças da natureza!

Não acredito em nenhum deus.
Acredito na ciência e não percebo aqueles comentários como "Mas tem de haver alguma coisa superior a nós!". Não percebo o porquê de dizerem isso e admito que, por vezes, nem respeito essas opiniões. Porquê? Porque não consigo conceber que as pessoas assistam a coisas horríveis todos os dias e ainda assim continuem a acreditar que existe alguém bom e misericordioso que cuida de nós! E pior! Quando acontece alguma coisa má a culpa ou é dos médicos, ou dos polícias, ou dos políticos, ou whatever, mas se por acaso corre tudo bem já é logo "Graças a deus!"
Para mim, quando as coisas correm bem, a responsabilidade é de uma combinação entre quem conseguiu resolver a situação e uma dose de sorte.  Quando correm mal é a mesma coisa, mas em vez de sorte foi azar, não há cá milagres e não há cá culpa exclusivas de ninguém.

Lembro-me disto agora porque vi hoje uma notícia acerca dos pescadores madeirenses que estiveram 72h sozinhos em alto mar e sobreviveram. Sobreviveram graças às equipas de resgate que não pararam de os procurar e graças à competência dos meios de salvamento. Mas decidiram vir todos ao continente agradecer à nossa senhora de Fátima o milagre de estarem vivos. Desculpem mas não consigo compreender! Talvez a fé os tenha ajudado a suportar melhor aqueles momentos, mas ainda assim, penso que quem deveria ser valorizado são as pessoas que os salvaram efectivamente.
Isto porque se for para acreditar numa entidade que dizem omnipotente, digo-vos, não gosto dela! Porque então anda a fazer muito pouco!

Pronto, e foi este o meu momento de revolta contra essa coisa que cega as pessoas e que se chama religião.
Muito motivado pelo facto de a S. querer dar uma mano ou uma mana ao R., tem possibilidades financeiras, e sobretudo emocionais, para o fazer, mas já sofreu dois abortos e ontem teve de voltar as emergências da maternidade, com mais um susto. Ao mesmo tempo que existem centenas de mulheres que não querem ter filhos, que os maltratam e que os negligenciam mas engravidam só porque vão receber mais uns euros do estado e corre tudo bem! E é tão injusto!

Felizmente continua tudo bem com o bebé dela, vai ter de estar em repouso absoluto, mas nestes casos o sacrifício nem deve custar muito porque é uma enorme recompensa que está em jogo. E não vou rezar para que fique tudo bem, mas acredito que a natureza fará o seu papel, e se a S. também fizer a sua parte e o factor sorte ajudar, daqui a uns 7 mesinhos teremos uma nova vida p'ra estes lados! E vai ser tão bom! :)

 

4 comentários:

  1. Para mim fé e religião são como azeite e água. Eu tenho fé, nas pessoas, em mim, na ciência, na natureza e sim, também é uma fé espiritual, acredito sim que haja algo de "superior", sem que esse algo tenha necessariamente que ser Deus ou uma qualquer outra figura divina. Quanto à religião, respeito as crenças de cada um, mas considero que é puro marketing.

    ResponderEliminar
  2. Sim, concordo contigo nessa distinção entre fé e religião! Mas quando me referia fé era mesmo relacionada com a fé numa figura superior.

    Mas sim, por esse prisma também tenho fé, acredito nas minhas capacidades, nas capacidades das pessoas, nas capacidades da natureza em manter o equilíbrio e nas capacidades da ciência em ajudar a manter esse equilíbrio (mesmo que por vezes não seja bem isso que acontece!). Nesse sentido, sim, tenho fé! Mas ainda assim não consigo compreender a existência de uma entidade superior. As coisas existem porque existem, é a natureza, sei lá! E p'ra mim ela é o que existe de mais superior de tão bela que é!:)

    ResponderEliminar
  3. Também já afirmei muitas vezes que se Deus existe não faz lá grande coisa. Mas hoje em dia já passei dessa fase. Já pensei exactamente como tu. Mas tornei-me mais calma e hoje em dia, apesar de ser contra o Cristianismo e as suas ideias absurdas, até acho que possa haver algo superior sim. Agora se é competente, isso já é outra conversa. Muita sorte para a tua familiar. A minha tia também tentou engravidar muitas vezes durante 3 anos e sofreu mais de uma dezena de abortos até conseguir uma linda menina. Mantém a fé (não em Deus, mas na força da vida).

    ResponderEliminar
  4. Podia mesmo ter sido eu a escrever este texto, revi-me nas tuas palavras.

    Espero que depois destes meses a S. esteja bem =)

    ResponderEliminar