terça-feira, fevereiro 07, 2012

Eu não queria falar sobre isto mas...

NOTA: Isto é a minha opinião, no meu blog, que criei para escrever sobre o que penso. Mesmo que não concordem, e se resolverem comentar, façam-no educadamente porque sei que estes assuntos são susceptíveis de subir o sangue à cabeça de uma pessoa!:p

Assumo que política é um tema que me  interessa, bem como economia e até tenho aprendido alguma coisa sobre o assunto por morar com a S., que tirou o curso. Também assumo (e sei que é arriscado fazê-lo uma vez que posso criar ódios para a vida!:p) que este interesse surgiu ao mesmo tempo que o Sócrates se tornou primeiro-ministro. Na altura ainda não votava, mas nas duas eleições seguintes votei nele. Quando foram as eleições antecipadas sabia que ele já não podia fazer grande coisa pelo país, estava desgasto, sabia que ele não ia ganhar, mas tinha a sensação que o Coelho não ia com certeza fazer melhor. Não se trata de ser socialista (nas presidenciais até votei no candidato do PCP!), trata-se de simpatizar com um candidato e acreditar que ele fará tudo o que puder para melhorar o que está mal. Independentemente dos erros e das gafes que ele tenha cometido ou dos casos judiciais onde aparece o nome dele ou de a maior parte das pessoas acharem que foi ele que afundou o país (como se não tivessem existido políticos antes e não fosse tudo uma bola de neve), gostava do optimismo que ele (me) transmitia, pelo menos! Sei que há quem veja isso como mentir, mas eu prefiro ter um político que sabe que as coisas estão mal mas que me diz que não tarda nada hão-de ficar melhor, do que um (como o que temos agora) que quando dizemos que está mal ele diz 'Não está mal, está horrível!'.

Isto tudo porquê? No outro dia foi o Cavaco que se saiu com aquela pérola, ontem foi o Coelho que resolveu dizer aos portugueses para serem mais exigentes, menos complacentes e...(pasmem-se!) menos piegas
O que me apraz dizer sobre isto?! Concordo com o senhor  quando diz que os portugueses devem ser mais exigentes (a começar desde logo em relação a eles próprios)! O menos complacentes nem percebi bem o contexto. Em relação ao 'piegas'... bem, aí já depende de que portugueses estiver ele a falar!
Se me estiver a falar de portugueses como um(a) que me contava ontem que já tinha comprado o bilhete de avião para a Holanda onde ia passar uns dias em Março, que já estava a combinar com uma amiga para comprarem o bilhete para Barcelona para passarem uns dias, também em Março, e que no dia 2 e 3 vai comigo ao Vodafone Mexfest no Porto, e ainda assim estava chateada porque "não vou ter férias", aí sim...deixa de ser piegas e dá valor ao que tens! Porque eu, para ir ao Vodafone não fui pedir dinheiro aos meus pais. Por sorte recebi dinheiro suficiente no Natal, caso contrário, não ía simplesmente!
Ou seja, já não bastava o presidente da República, agora vem o primeiro-ministro dizer a pessoas que estão desempregadas, que andaram a estudar e agora não têm emprego, que recebem pensões de 200€ ou menos por mês depois de terem passado uma vida inteira a descontar, etc., etc., etc., para não serem piegas! (E eu sei que estas declarações foram ditas acerca da polémica da ponte de Carnaval, mas ele também se esquece que há certos sítios do país, como a Nazaré, Torres Vedras e por aí fora, que lucram imenso nessa altura devido à quantidade de pessoas que se dirigem aos festejos, e que a medida que ele impôs vai causar prejuízos nessas localidades). É claro que deve manter-se sempre uma certa dose de optimismo e não nos queixarmos de tudo. O que  o senhor primeiro-ministro não percebe é que é muito mais fácil dizer isso quando se está na situação dele onde não lhe falta nada! E que é muito mais difícil quando há pessoas em situações limite, sem dinheiro para comer sequer (isso não é ser piegas, é estar desesperado!)!

E não estou a dizer que discordo das declarações dele, estou a dizer que ele não pode pôr tudo no mesmo saco e dizer a mesma coisa aos portugueses que ainda estão bem na vida e aos portugueses que estão realmente em necessidades!

5 comentários:

  1. Olá Jude,

    Gostei muito do teu texto. Sinceramente não sou muito ligada à politica mas concordo com tudo o que disseste.
    Este País está nesta situação que todos sabemos e não precisamos de mais negativismo por parte dos nossos ministros! Claro que queremos sinceridade e honestidade, mas penso que como tudo na vida temos de ser optimistas e tentar lutar por um futuro melhor.
    Depois claro nem comento o que foi dito pelo Coelho e muito menos o que foi dito pelo nosso Presidente da república há uns tempos. Acho vergonhoso, nem eles sonham o que é ter dificuldades.

    ResponderEliminar
  2. Olha, eu simpatizo com o PCP! Não quer dizer que seja comunista, até porque acho que é uma utopia, nunca ninguém o conseguirá impôr de forma eficaz. Mas parecem-me simplesmente os mais sinceros.
    Quanto ao tipo de presidente que prefiro, assumo que gosto de frieza e realidade. Não quero que me digam "pensem positivo, podem mudar a vossa vida". Assim parece um livro de auto-ajuda. Prefiro a realidade, não quero que me tapem os olhos com ignorancia.
    Para grandes males, grandes remédios. Aceito que não haja outra forma senão fazer enormes sacrificios mas realmente o Passos Coelho não está a ser racional nesta questão do Carnaval. Um povo saturado necessita distração, alguma folia. E como bem lembraste, ha zonas que lucram muito nesta época. Ele está a prejudicar economias bem como a sufocar psicologicamente o povo.

    ResponderEliminar
  3. Tiram-nos tudo e mais alguma coisa e ainda nos ofendem com palavras! Enfim...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto deste assunto :)
    Não gosto do Sr. Anibal Cavaco Silva e já lhe roguei umas quantas diarreias. Parece-me ser simplesmente um inútil, uma dondoca. Não votei nele, porque não estava cá nessa altura e, de qualquer forma, o meu voto ia para o Sr. Fernando Nobre, por quem tinha grande admiração, afinal é um vendido e com o balúrdio que ganha na AMI devia era deixar-se no galho dele e não fazer figura de idiota.
    O Sócrates foi um grande mentiroso e ainda bem que teve a decência de desistir do cargo.
    O Passos Coelho é um boy. É um menino. Mas a posição dele também é ingrata. Esses senhores deixaram o país numa situação ingrata e os meus pais e os teus é que pagam. Por isso que estou cansada de caras bonitas, portes elegantes e falinhas mansas. São uns bandalhos. Todos.

    :)
    **

    ResponderEliminar
  5. Nem ia comentar porque pediste para o fazer educadamente e eu estava mais que decidido a faltar ao respeito a todos estes senhores. De qualquer das maneiras, tenho só a acrescentar que os nossos políticos são de extremos. Ou mentirosos e "vai ficar tudo bem", enquanto nos dão abraços por tras (se é que me entendes), ou pessimistas e negativos dispostos a acabar com a única coisa boa de que é dotado o povo português, que é o bom humor.
    E parabéns :)

    ResponderEliminar