quarta-feira, agosto 29, 2012

Os rapazes da minha idade...

O meu grupo nuclear de amigos (uns mais próximos outros nem tanto) inclui 7 raparigas e 7 rapazes. Orgulho-me de alguns deles, como a M., o L. e o A., me acompanharem desde o primeiro ano de escola, tínhamos nós 5 e 6 anos. Os outros foram aparecendo e ficando. Uns mais cedo, como o B. no quinto ano e a A. no sexto; e outros mais tarde, como o B., o J. e o H., no décimo, e a R., o F., a S. e a L., no décimo segundo.
A partir daí, a modos que o grupo fechou, não aumentou nem encolheu. Vão aparecendo os namorados de algumas das raparigas. Os rapazes continuam todos desimpedidos.
Agora, isto poderá ter uma explicação. Por algum motivo que nos escapa (a mim, e às outras raparigas), eles parecem, só agora, estar a atravessar a adolescência. Com 22 e 23 anos, estes meninos comportam-se como garotos de 13 e 14. Pois que não podem ver um rabo de saia sem mandar umas bocas foleiras e darem uns risinhos estranhos. Pois que as conversas não vão além de mamas e pernas, tudo envolto numa linguagem a roçar o obsceno. Se fazemos jantar de grupo, eis que eles nos "pedem" para ficarem todos juntos de um lado da mesa, deixando-nos a nós isoladas do outro lado.
Sim, eu sei que eles são rapazes. Mas tenho saudades de quando éramos realmente um grupo. Já não somos. Não passamos de dois grupinhos mais pequenos - o dos rapazes e o das raparigas.
Irrita-me o comportamento deles. Que nos ponham de parte e que, ao mesmo tempo, critiquem os namorados que vão aparecendo como se fossem os únicos homens da nossa vida. Irrita-me que nem sequer tentem compreender o nosso lado que, apesar de conseguirmos sair sozinhas, gostávamos de ter a companhia deles como antes. Irrita-me que, de um dia por o outro, se tenham lembrado de só fazer programas em conjunto, sem nós. A C., que volta para a França no sábado, arrisca-se a ficar sem uma despedida digna porque o F. se lembrou de fazer uma jantarada só para meninos na sexta à noite. Tenho pena que estejamos assim e deixa-me realmente triste. 




9 comentários:

  1. É verdade que os rapazes às vezes conseguem ser mesmo insensíveis e parvos. Como se a criança dentro deles nunca desaparecesse, nem nos momentos sérios e em que devem comportar-se como homenzinhos que são. Enfim, são uma "raça" estranha e ainda vão ser precisos séculos para os percebermos :D

    ResponderEliminar
  2. Pode ser que seja só uma fase...
    Olha que a entrada para a faculdade aparvalha muitos rapazes no que diz respeito a esse campo! LOL

    ResponderEliminar
  3. Deixa lá, Jude...
    Daqui a 10 anos isso passa-lhes.
    Não tentem compreender os rapazes. Eles são demasiado simples.
    Há-de chegar o dia em que eles é que vos tentarão compreender. E aí já vocês os sabem de cor. ;)

    Um beijinho,
    JB

    ResponderEliminar
  4. Talvez isso seja só uma fase... e já pensaram que eles podem achar o mesmo? Acho que isso merecia uma conversa.
    É engraçado que também tenho assim um grupo nuclear mas fomos todos juntos do 1º ao 9º ano e desde aí não entrou mais ninguém :)

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente os rapazes demoram mais a amadurecer.

    ResponderEliminar
  6. Sabes como é, nós mulheres estamos sempre um passo à frente e depois temos de aturar as criancices deles!

    ResponderEliminar
  7. Por vezes os rapazes não tem muita noção da realidade, parecem que vivem noutro mundo...Enfim!

    ResponderEliminar
  8. eu percebo-te tão bem,por isso que me identifico com os rapazes mais velhos que eu. :)

    conversas sempre da treta!

    :/

    ResponderEliminar