quarta-feira, outubro 03, 2012

Se me perguntarem...

...direi que as Sanjo foram o primeiro sinal. É estúpido não é? Mas é verdade. Primeiro, o facto de, como eu, ter umas. Depois, o facto de saber a história delas e não as ter comprado só porque sim. Às vezes basta uma frase simples e certeira para perceber que estamos na presença de alguém especial. O segundo talvez tenha sido o hão-de que disse, e não o "há-dem".
Bem, é claro que existiram outros sinais. Ninguém começa a sentir borboletas na barriga à custa de um par de sapatilhas e de um verbo bem conjugado.
Foi o espírito, essencialmente o espírito.
A forma como olhou para aquela criança da mesma forma que eu. Não o olhar de ver, mas o olhar de perceber e de sentir. Porque sei que, naquele momento, sentimos e pensámos o mesmo, mesmo sem lhe ter perguntado. Foi o olhar que falou.
A forma como conversou com aquele senhor mais velho. Como partilhou um pouco da sua experiência e como o fez com entusiasmo.
A forma como aprecia música, como eu. Porque é importante que se goste do mesmo filme ou até do mesmo livro... mas a música é o mais importante. Pode ver-se um filme e ler-se um livro na nossa própria companhia. Mas num concerto é sempre bom ter alguém que o entenda da mesma forma.
Foi o sorriso e a alegria. E a simpatia. A forma como fala do que interessa, com os argumentos necessários para o fazer. A forma pacífica como defende o seu ponto de vista político. A forma como, como eu, faz batota a jogar às cartas. O facto de o admitir. O facto de me ter visto cair e ainda conseguir retirar daí um elogio.
Foi o olhar, sem dúvida. Aquele momento em que fez uma pausa no discurso e cruzou o olhar com o meu. Porque era um olhar sorridente, feliz. Daqueles que amam a vida. Porque foi um olhar que não me fez desviar o meu, que me fez ficar assim, de queixo pousado na mão, a observá-lo e a sorrir ao mesmo tempo, mesmo correndo o risco de ele me tomar por maluqinha. Porque naquele momento o tempo parou e queria continuar a ouvi-lo...por pura admiração.
Este post foi sobre ele e a cada dia faz mais sentido. Mas...

6 comentários:

  1. Umas Sanjo são sempre bom sinal! E não, não é nada estúpido! É só fofo! ;)
    E o "hão-de" é importantíssimo, pelo menos na minha opinião :)
    Gosto do espírito deste post :)

    ResponderEliminar
  2. Imaginei o filme todo na minha cabeça à medida que ia lendo! E que lindo! You go, girl! :p

    ResponderEliminar
  3. Não sei ainda Joana... a ver vamos! :)

    Também acho que sim, Anita! Apesar de serem pequenos detalhes fazem a diferença! Obrigada! :)

    Oh, Rita... a distância é um bicho lixado!

    ResponderEliminar
  4. Pareceu-me um retrato maduro, romântico e apaixonado, mas maduro e isso, pelo menos a mim, diz muito! Nada de "mas", segue:)
    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Parece-me uma descrição de amor =)**

    ResponderEliminar