sexta-feira, novembro 16, 2012

Adeus, avô...

Fez ontem cinco meses que escrevi isto. E cinco meses e um dia depois, o meu avô não aguentou mais. Partiu esta tarde. Não estou triste. Pelo menos pensava não estar mas, agora que comecei a escrever, as lágrimas começam a querer aparecer. Mas não, não posso estar triste porque foi o melhor. O estado dele já não era viver. Já nem era sobreviver... eram as máquinas que o estavam a manter vivo. Portanto foi melhor assim. Se foi uma injustiça a forma como tudo aconteceu? Sim! Ninguém merece perder a posse das suas capacidades e estar consciente disso. Mas a vida é injusta para quase toda a gente. Da última vez ele já não me apertou a mão. Mas olhou-me nos olhos e percebi que ele sabia quem eu era. E isso fica comigo. Tal como todas as vezes em que, no início, quando ainda conseguia, escolhia a minha mão em vez das dos outros e a apertava com força e sorria, e depois chorava e voltava a sorrir. Infelizmente, foi só depois daquele dia em Junho, que me apercebi do carinho que existia ali. Mas não faz mal, vou guardá-lo no meu coração e, se não tiver tido outro propósito, esta fase e este fim fizeram-me ter a certeza de que, se um dia tiver filhos, o meu pai terá de ser sempre uma figura especial. Os meus filhos hão-de ter um avô para todas as horas, como deve ser...

21 comentários:

  1. Nestas alturas nunca sabemos bem o que dizer, mas se calhar foi mesmo o melhor para ele... Um grande grande beijinho e muita força*

    ResponderEliminar
  2. Querida Jude, infelizmente a vida enche-se de propósitos para os quais nós não estaremos nunca preparados! Será ela "eterna enquanto durar" e por isso (re)lembra-o sempre tal como ele te irá (re)lembrar.. Um grande beijinho para ti repleto da maior força*

    ResponderEliminar
  3. Força Jude, eu também já passei por algo parecido
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  4. Também estou de luto este fim-de-semana. Força :)

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Minha querida Jude, felizmente ou infelizmente nunca sabemos o que dizer, ja tive uma avó assim e quando ela partiu achei que teria sido o melhor, porque agora já não sofre mais! e terás alguém a tomar conta de ti lá no céu junto às estrelas.. pelo menos eu acredito que há alguma coisa! beijinho e força

    ResponderEliminar
  7. Abraço. E é natural que a escrever e a pensar te emociones, mas emociona-te sobretudo com memórias boas, sim? Tenho muitas saudades do meu avô Luís, que também morreu depois de um longo e violento estado de sobrevivência. Às vezes é também com memórias boas que me emociono. Deixou muito enquanto cá esteve. E há coisas banais, de todos os dias que falam muito nele.

    ResponderEliminar
  8. É mais do mesmo mas... muita força! Eles estão lá em cima a olhar por nós. beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Sei tão mas tão bem do que falas minha querida! Deixo-te um abraço puro, sincero e solidário!
    Grande beijo e sê forte e feliz por ele

    ResponderEliminar
  10. Quando vemos quem amamos sofrer, a partida torna-se um alivio em vez de dor. Força.

    ResponderEliminar
  11. Oh querida, infelizmente sei bem como essa dor é...
    Muita força.

    ResponderEliminar
  12. Dói-me tanto ler isto... Não dá para explicar. As lágrimas correm-me de emoção! O meu Avô morreu há mais de um ano. E hoje ainda me dói como se tivesse sido ontem. Desejo-te muita força, Jude. Sei que este processo não é fácil mas acredito que a tua força te vai ajudar a ultrapassar. Tudo de bom! *

    ResponderEliminar
  13. Querida força.. custa sempre tanto...

    kisses***

    ResponderEliminar
  14. Um beijinho enorme minha querida!

    ResponderEliminar
  15. Força Jude! Esteja onde ele estiver ele estará sempre contigo! Bjinhos***

    ResponderEliminar
  16. Sinto muito...Já passei por isso e sei o quanto custa... Mas as pessoas só morrem quando nos esquecemos delas! E tenho a certeza que o teu avô permanecerá eternamente vivo no teu coração e nas tuas melhores recordações!
    Beijinhos e muita força

    ResponderEliminar
  17. Muito obrigada a todas! Desculpem não responder a cada uma de vós individualmente mas nenhumas palavras chegariam para agradecer o vosso apoio! Assim, fica um muito obrigada colectivo, mas com cada uma de vocês em mente!*

    ResponderEliminar
  18. Não sei o que dizer porque nunca tive na vida (felizmente) dor parecida com esta. Mas mando aqui um abracinho virtual. Força!

    ResponderEliminar