terça-feira, fevereiro 12, 2013

Não percebo, mas não percebo mesmo, aquelas pessoas que amam apaixonadamente, sofrem desalmadamente porque acabou, mas passados uns dias já sentem que se estão a apaixonar por alguém e escrevem lindas declarações para, no fim, voltarem a amar perdidamente e voltarem a sofrer amarguradamente e voltarem a apaixonar-se e assim consecutivamente até, ao fim de um ano, terem sido capazes de amar profundamente uma boa meia dúzia de pessoas ou, quem sabe, mais! Não percebo pessoas com um coração, chamemos-lhe assim, tão grande! Isso para mim não é amor e nem sequer é saudável. Da maneira como o vejo, chama-se incapacidade de se estar sozinho e, parece-me, tende a acontecer com pessoas que não suportam a sua própria companhia. Não é normal interpretar uma troca de olhares casual como o destino a dizer "Avança, é ela (ou é ele)!" e, menos normal será, dar-se ao trabalho de arranjar nomezinhos personalizados para cada uma das conquistas, como se elas não tivessem nome próprio e, por algum motivo fazer questão de utilizar essa invenção em todas as SMS trocadas como que a querer, à força, tornar a relação em algo mais especial do que é e do que alguma vez será.
E incomoda-me, no sentido de o considerar doentio, que se ame sempre alguém e que se ame por amar e que se ame só porque sim e sem olhar a mais nada. Podem dizer que é romântico, que é bonito, que é prova de que se tem coração...para mim é apenas ridículo! E sim, é por tudo isto que preferi afastar-me naquela altura porque, até se pode dever à minha mente fechada, mas não queria fazer parte de um círculo vicioso. 

7 comentários:

  1. acho isso normal na adolescência pois as pessoas estão numa fase de conhecimento próprio e dos outros, mas depois disso já não acho muito normal...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! Até porque a pessoa de quem me refiro já está a uma boa dezena de anos da adolescência. Ou pelo menos deveria estar!

      Eliminar
  2. Bem eu nestas coisas do amor sou um pouco pedra dura, fria vá. Para me apaixonar é preciso muito, não caio facilmente de amores por alguém. E quando amo, amo mesmo, amo na verdadeira aceção da palavra e espero que dure para sempre, ou até onde for possível. Se a relação acabar não sou pessoa de me atirar para o próximo num instante, não, não, porque voltar a amar é coisa que demora, que custa e que por vezes não chega a ser igual. Por vezes só se ama verdadeiramente uma vez na vida até. E bem esta sou eu a ser uma eterna romântica, porque depois de me apaixonar, ui ui :D

    ResponderEliminar
  3. durante a adolescência é natural, depois é que começa a ser uma valente confusão :)

    ResponderEliminar
  4. Sou da opinião que só há um grande grande amor na vida, vá, dois, para as pessoas mais sortudas...por isso, tudo o resto não é amor, é mais paixão do que qualquer outra coisa...porque amor, amor é outra coisa...

    ResponderEliminar
  5. A idade pode, de facto, ter muito a ver com isto. Mas acho mais importante o carácter! Isso sim, faz a pessoa. E acho, sinceramente, que pessoas assim não têm um grande carácter. Falta-lhes mentalidade e maturidade. Conheço tantas pessoas assim... Já agora: há uns meses (não mais que três) uma rapariga que conheço publicava uma foto com o namorado todos os dias. Ou dia sim, dia não. Era amor por todos os lado. Ele fazia o mesmo! Comentava-lhe as fotos todas! Elogios de todas as formas... Acabaram entretanto. As fotos dos dois foram-se, os comentários foram todos apagados e há umas semanas fiquei parva a ver que já tem fotos com outro e até a relação já está assumida. Assim, em três mesinhos!

    ResponderEliminar
  6. Bonito?? Não, tens razão, é ridiculo! Juro que também acho degradante. Isso é não saber o que é o amor e entristece-me que o estejam a vulgarizar desse modo. Ainda há uns dias um amigo insinuou "vi-te num bar com os tipos... namorado novo?". E eu fiquei chocada com tamanha parvoice! Namorado? Terminei uma relação com amor verdadeiro à 2 meses. Como seria possivel eu ter já namorado?!? Só se tivesse saido de uma paixoneta e não de um amor duradouro.

    ResponderEliminar