sexta-feira, fevereiro 22, 2013


Tive de roubar esta imagem do blogue da Tsuri, de quem tanto gosto, porque me disse muito, precisamente hoje, precisamente agora. Numa altura em que dei por mim a pensar porque é que tudo tem de ser tão difícil e porque é que tem de ser mais difícil para uns do que para outros. E sim, eu sei que tenho de perspectivar, porque há vidas um milhão de vezes piores que a minha mas, mesmo assim, há dias em só apetece desistir de tudo, deixar de batalhar e deixar as coisas desenrolarem-se sozinhas, deixar-me ir com a corrente. Hoje é um desses dias porque, por mais que queira manter o optimismo, as coisas começam cada vez mais a ficar preocupantes. E é triste ver que não há perspectivas de mudança. Cada vez mais tenho a certeza que o meu futuro próximo não passa por este país, por muito que goste dele. Porque, infelizmente, ninguém vive do ar e, digam-me que estou a ser gananciosa, mas a vida é demasiado curta para nos permitirmos a passar mais tempo a existir do que a viver. E eu não quero apenas existir e não quero que a minha vida seja pautada por preocupações acerca de contas para pagar como é, infelizmente, a vida de tantos de nós. Eu quero mais que isso, quero viver e quero saber que, se quiser, posso ir ao cinema ou a um concerto, que posso viajar e conhecer o mundo, que posso comprar mais aquele livro sem me preocupar se no final do mês vai sobrar dinheiro ou que posso fazer algo tão simples como dar-me ao luxo de ir jantar fora ou de encomendar uma piza só porque não me apetece cozinhar e porque é suposto que tenha essa possibilidade sem sofrer de remorsos logo a seguir. E pronto, talvez tudo o que se está a passar tenha apenas o objectivo de me ensinar qualquer coisa, talvez eu ainda não tenha descoberto o que é... mas está-me a custar cada vez mais. Não só por mim mas pelo meu pai, que vejo a abater-se cada vez mais de dia para dia porque acha que falhou, como se a merda que vai neste país fosse culpa dele e não dos porcos que enchem os bolsos à custa do trabalho de gente trabalhadora e honesta.

8 comentários:

  1. Compreendo aquilo que sentes, também sinto o mesmo, embora já tenha tomado a decisão de procurar um novo rumo...e acredito que nada acontece por acaso, e se é assim que tem de ser, é porque certamente iremos aprender alguma coisa com isso...mas que custa, custa...
    Força**

    ResponderEliminar
  2. Identifiquei-me tanto com as tuas palavras que nem sei que diga, Meu Deus!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que, infelizmente, há muita gente a identificar-se! :/

      Eliminar
  3. Infelizmente é o país que temos de momento e é muito triste...eu sei pelo que tenho passado nos últimos meses depois de sair da faculdade, as vezes vou abaixo, mas tento sempre ser forte! Tenta pensar que vai correr tudo bem! Bjinhos***

    ResponderEliminar
  4. já tive bastantes dias assim. e a conclusão a que chego é que cada vez são mais e piores! outra coisa é que não vale a pena! é pegar nas armas, limpá-las e ir para a guerra... dias maus todos temos!

    ResponderEliminar
  5. Querida Jude, antes de mais muito obrigada pela carinhosa referência!
    Compreendo bem o que dizes e depois de ler profundamente as tuas palavras acho que posso contar-te um pouco de mim.
    Tenho 30 anos, estou casada à 4 anos e sabes o que tenho? Nada! Nada me magoa mais do que me ver a querer evoluir e ver que tudo me é roubado só por estar no país errado à hora errada. Desde que estou casada, o meu marido já esteve desempregado 2 vezes. Ele entrou em 2013 desempregado. Mas estas gerações de hoje são destemidas, são mesmo, e acho que somos capazes de revirar as nossas vidas do avesso e mostrar que temos muito para dar aqui mesmo. É um risco, mas é em alturas de crise que se dão as maiores mudanças. O meu marido está a tentar mudar o mundo dele com um negocio dele, onde dedica toda a sua sabedoria com enorme paixão e eu mesma participo e onde encontro muita alegria. É duro, sacrificamos muito de nós, abdicamos muito tempo mas sabes que mais? Um dia esta semente será uma linda árvore, tenho a certeza.
    E não vou esperar que este mundo mude, vou eu tentar muda-lo e entretanto se conseguir um mininosso, melhor, vou mostrar-lhe que os seus pais lutam muito neste país às cambalhotas.
    Pensa nisso minha querida.
    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tsuri, obrigada por partilhares um bocadinho da vossa história! E admiro imenso as pessoas que, como vocês, não baixam os braços! Espero um dias poder orgulhar-me do mesmo! As coisas realmente não são fáceis, mas se todos os dias dermos mais um pouco de nós vão com certeza melhorar e compensar no futuro! Um beijinho enorme e muita sorte e sucesso para esse projecto! Que vos traga muita felicidade. A vocês e a um minivosso se assim o quiserem! :)

      Eliminar