terça-feira, junho 18, 2013

Carta às futuras residentes

Coimbra, 18 de junho de 2013

Queridas futuras residentes,

bem sei que, à primeira vista, esta casa não vos vai agradar. Também não me agradou a mim, confesso! Provavelmente apenas vão ficar porque, quando começaram a procurar casa, já estava tudo arrendado. Aviso-vos que o senhorio é negligente mas que, quando aparece, aproxima-se tanto que conseguem sentir o hálito a álcool e a tabaco - não permitam que isso aconteça com frequência e mantenahm apenas o contacto indispensável. Há imensas coisas que merecem ser arranjadas, pois há... e quando para cá vierem ele vai prometer que vai arranjar tudo. Provavelmente vão ouvir, como eu tenho vindo a ouvir desde há cinco anos, que em breve vai abrir a sala grande, que dá para a varanda. Não acreditem. Aquela sala deve ter segredos demasiado obscuros para algum dia ser aberta... Não vão ter varanda, portanto contentem-se com o terraço. Por favor, não tirem as mensagens nem os cartazes colados na parede da "sala" (sim, eu sei que é uma pequena marquise, mas contentem-se por a S. lá ter deixado os sofás), são a prova de que esta casa já teve momentos muito divertidos e alegres! Cabe-vos a tarefa de continuar a preenchê-la, como eu  e outras fomos preenchendo
Vocês não sabem, nem nunca vão saber, que aquela "sala" presenciou risos, gargalhadas, lágrimas, confidências, bebedeiras, danças e karaokes. Não sabem quem esteve antes no vosso quarto, não sabem que a F. lá perdeu a virgindade, não sabem que a S. saiu de repente desta casa quando a F. faleceu... não sabem, nem nunca vão saber.
Quando cá chegarem vão encontrar espaços vazios e impessoais. Mas que já foram tão próprios de cada uma de nós que por cá passou. Aquela que ficar com este quarto vai ser a mais sortuda. Pode até ser o quarto mais pequeno, mas é, sem dúvida, o mais acolhedor... e tem uma casa-de-banho privada o que, acreditem, é o melhor que se pode ter numa casa partilhada com pessoas que, por vezes, não vão ser as mais higiénicas. Estas paredes sabem de histórias que mais ninguém conhece. Das minhas, das que cá estiveram antes de mim e de vocês, que para cá vêm! Aproveitem cada minuto e dêem-lhe valor!
É nesta casa que vão passar momentos que nunca mais esquecerão. Encham-na de alegria, do cheiro a café e torradas pela manhã! Encham-na de jantares de "família", jantem todas juntas e tornem-se amigas! Na Queima e na Latada vão achar que não podem fazer jantares com o pessoal porque não vão caber na "sala" - podem! Façam-no! Cabe sempre mais uma pessoa! Não se preocupem demasiado com as limpezas... Cabe sempre mais um prato sujo no lava-louça e, quando não couber, lavem tudo o que lá está. Da próxima vez será outra pessoa a fazê-lo. Acreditem que não ter uma tabela de limpezas semanais é o melhor que podem fazer para evitar discussões - falo por experiência própria.
Provavelmente, dentro de uma hora, já cá não estarei e terei deixado a casa vazia pela primeira vez em muitos anos. Não imaginam o que me está a custar... Portanto, façam o favor de lhe devolver a vida que ela merece! Está nas vossas mãos. E um dia, quando tiverem que sair, tenham a certeza que este 1º esquerdo ficará sempre na vossa memória pelas melhores razões!

Boa sorte,
Jude

11 comentários:

  1. Fiquei emocionada ao ler isto, deve ser difícil deixar assim uma casa para trás! muita força!

    ResponderEliminar
  2. Imagino o quão difícil deve ser sair de uma casa cheia de memórias do melhor tempo de estudante! Ainda que não viva com os meus pais, vivo em minha casa, na outra casa, mas mais perto de Coimbra. O que é completamente diferente de viver numa casa com pessoas que, no início desconhecemos, mas que depois se tornam membros da "família". O texto está lindo e emociona. Boa sorte para o que ainda há de vir! Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Yasmin! São coisas únicas que nem sempre se tem oportunidade de viver...

      Eliminar
  3. Que palavrinhas tão bonitas.. Não sei se é essa a tua intenção ou não mas eu deixaria esta carta num lugar da casa bem escondida para que um futuro residente a descobrisse por mero acaso!
    Beijinho Jude* :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é uma boa ideia! :) Pena que já não volte lá e não me ocorreu :(

      Eliminar
  4. Oh... :)
    Que carta bonita, o sentimento é quase palpável. Que nuncas percas esta delicadeza.

    ResponderEliminar
  5. Jude... quantas saudades!

    É por isto que eu tinha que voltar à blogosfera. É tão bom e especial voltar aqui e continuar a ler-te desta forma tão doce, tão pura, tão mágica. Este encanto e estas palavras tocaram-me. Que texto lindo e emocionante. Eu eu, outra estudante de Coimbra, arrepio-me ao ler algo assim.

    ResponderEliminar