sábado, junho 15, 2013

Novela mexicana VI

No prazo de uma semana, esta é a segunda vez que me despeço de alguém especial por tempo indeterminado. A A. acabou de apanhar o táxi que a levará ao comboio que a levará a outro país. Ela e a S. foram sem dúvida as melhores colegas de casa que já tive. E custa não largar umas quantas lágrimas agora que estou aqui sozinha. Podia ir deitar-me e pensar que amanhã, quando acordar, já não vou ter ninguém a quem dizer bom dia... mas não quero entrar nesse modo. Vou prolongar o serão a arrumar as minhas próprias coisas porque, segunda-feira, sou eu que estou de partida e deixarei esta casa vazia pela primeira vez em cinco anos.


3 comentários:

  1. e nõ se tornam mais fáceis com o tempo, tenho a dizer...

    ResponderEliminar
  2. São tempos complicados os das despedidas, mas daqui a nada tens a tua vida e serão apenas boas recordações!

    ResponderEliminar