segunda-feira, outubro 14, 2013

Be brave.

Dizem que está mau... e está. Não está bem e não há-de estar tão cedo. Sei que muitos de nós não têm a oportunidade de mudar o que quer que seja e que muitos vão tentar e não vão conseguir. Está mau e não está para melhoras. Mas por outro lado, gosto de acreditar que esta é a oportunidade da minha (que é também a vossa) geração aprender com os erros das gerações anteriores. Sim, é fácil dizer que os governos são os responsáveis, e sim, têm responsabilidades. Mas gosto sempre de ter em mente que são as pessoas que fazem o governo e, já dizia o outro, cada povo tem o governo que merece. Não quero com isto dizer que não existem pessoas que, sem culpa nenhuma, foram apanhadas na encruzilhada da crise e do desemprego. Mas, para muitos, foram anos de muitos erros, dos governos, mas também das pessoas. Nós, os mais novos, estamos a aprender. Percebemos, ou pelo menos espero que sim, que não precisamos de ter uma casa com cinco ou seis quartos e que um apartamento mais pequeno e aconchegante pode proporcionar o mesmo nível de felicidade. Percebemos que não precisamos de um carro novo e que um em segunda, ou terceira ou quarta mão, também dá para as nossas necessidades. Percebemos que um hotel de luxo pode ser trocado por um hostel com ambiente familiar. Percebemos que os nossos futuros filhos não precisam de uma consola, um telemóvel e um computador aos cinco anos e que podem aproveitar a infância apenas com uma bola de futebol e um animal de estimação como companheiro. Percebemos que não precisamos de guardar tralha em casa e que podemos dar roupa, calçado e material escolar de que já não precisamos, mas que pode dar jeito a outras pessoas, que evitam  esse gasto. Eu acredito que, por muito difíceis que estejam as coisas, somos nós, esta nova geração, que não vira as costas à primeira (nem à segunda, nem terceira) e que, mesmo que a motivação às vezes escasseie, continua à procura com entusiasmo e com esperança, que vai fazer a diferença. Estamos a aprender e a sofrer na pele as lições que deveriam ser outros a tirar. Mas vamos continuar a tentar o melhor para nós, não vamos aceitar ser explorados e, daqui a pouco, estaremos a passar a mensagem aos nossos filhos. São eles que vão ficar com os lucros do nosso trabalho, mas vai valer a pena sabermos que fomos responsáveis pela mudança. 

6 comentários:

  1. mas já chegou ao ponto de ser mais do que isso... estão a destruir aos poucos a nossa indústria, a nossas escolas, os nossos hospitais, os nossos serviços...

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito deste teu ponto de vista em relação à situação que envolve todos nós. Era bom que todos tivéssemos essa mesma forma de ver as coisas.
    Concordo, e bem, contigo :)
    Um beijinho *

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Absolutamente correcto! E por tudo o que disseste te digo que esta geração que tanto padece será a que arriscará e fará a diferença no futuro!
    Tenho muita esperança!
    Bom post!

    ResponderEliminar