quinta-feira, outubro 10, 2013

taken from the heart.

Registo-o aqui... para que não me esqueça.
O meu pai, tal como eu, não é pessoa de mostrar sentimentos por aí além. Ainda que tenha um coração mole, raras são as vezes em que o demonstra. Nunca foi de dar mimos, beijinhos ou abraços. Eu, sinceramente, não me importo porque não daquelas pessoas que têm uma necessidade excessiva de afecto e que vêm nessa demonstração a única prova de que existe sentimento. Acredito, e sei, que existem muitas outras formas de mostrar que nos importamos. Às vezes até mais eficazes.
Pois bem, ontem, já na cama, o meu pai chamou-me. Chamou-me para dizer que tinha reparado na fotografia minha que tem, há anos, por cima da cama. Uma foto tirada no meu primeiro ano de faculdade, trajada. Disse-me que estava linda. Disse-me que sou linda e que mereço o melhor do mundo. Disse-me para nunca me deixar enganar. Não sei o porquê de ontem lhe ter dado para isto, mas foi bom de ouvir. Não que ele me tenha dito alguma coisa que eu ainda não soubesse ser o que ele pensa...porque sei que ele me ama com todo o coração. Mas foi bom. E o facto de o guardar apenas para raros momentos, torna-o ainda melhor, da maneira como vejo as coisas. Não há necessidade de o dizer todos os dias desde que as acções demonstrem o mesmo.





5 comentários:

  1. foi super fofinho.. mais vale poucas vezes sentidas do que muitas da boca para fora.

    kisses***

    ResponderEliminar
  2. não é necessario dizer, é sim preciso que se demostre o que sentimos pelos outros!.

    ResponderEliminar
  3. acho que concordo com o teu pai pelo o que tenho lido

    ResponderEliminar