sábado, janeiro 18, 2014

Das coisas que não se compreendem.

Ou como tirar as expectativas a alguém que se quer candidatar a doutoramento no próximo ano lectivo. 

O ano de 2014 começou com uma má notícia para a ciência, depois de se saber, nesta quarta-feira, os resultados gerais das candidaturas a bolsas de doutoramento e pós-doutoramento atribuídas pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Dos 3416 candidatos para bolsas de doutoramento, só 298 receberam a bolsa. No caso dos pós-doutoramentos, só 233 cientistas receberam bolsas entre 2305 candidaturas.

Os resultados, que a Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) considera, em comunicado, "uma razia" e que mostram uma “política de desinvestimento e de abdicação de defesa dos interesses nacionais em detrimento das opções ditadas em esferas internacionais”.

Na década passada, no auge do financiamento para ciência em Portugal, chegaram a ser atribuídos 2031 bolsas de doutoramento e 914 bolsas de pós-doutoramento em 2007. Graças a este investimento, o número de doutorados em Portugal subiu para o nível europeu. No entanto, desde 2010 que o número de bolsas atribuídas tem vindo a decrescer, acompanhando a crise económica.

E os números agora publicados são avassaladores. No caso dos pós-doutoramentos, este ano que foi o que teve o maior número de candidaturas de sempre, os resultados mostram uma diminuição de 65% face a 2012.

4 comentários:

  1. isto anda mesmo bonito anda ... mas olha, a esperança é a última a morrer, portanto acredita que as coisas vão melhorar e não desistas dos teus sonhos :)

    ResponderEliminar
  2. Uma amiga minha ficou a 15 vagas.de entrar.na.bolsa d doutoramente..9% é muito muito pouco

    Fogo que raio de país

    ResponderEliminar
  3. Acaba por se tornar deprimente...

    ResponderEliminar