quinta-feira, abril 17, 2014

Da vida adulta.

Ingenuamente, há poucos meses atrás, antes de começar o estágio, pensava que quando começasse a trabalhar é que ia ser. Finalmente ia ter a minha independência e não teria que contar tanto os tostões, o que me daria asas para alguns pequenos luxos. Estava tão enganada!! A verdade é que gerir um ordenado é bastante difícil. Ou talvez apenas o seja quando o ordenado é pequenino. Se antes já me fazia confusão saber que tanta gente tinha de viver com um ordenado mínimo, hoje não faço a mais pequena ideia de como são capazes. O meu palpite é o de que não são. Ganho um pouco mais do que isso, felizmente! E também não tenho uma família para cuidar. O que ganho é só para mim e, ao contrário do que vejo acontecer com a maioria dos meus colegas, desde que estou a receber um salário, fiz questão de não depender dos meus pais. Isso acaba por complicar o panorama. Tenho amigos que recebem o mesmo que eu mas que, no entanto, são os pais que lhes pagam o apartamento e, sendo essa a maior despesa mensal, faz uma grande diferença na carteira. Eu pago tudo do meu bolso, ainda que os meus pais me paguem as viagens de volta quando vou de fim-de-semana e aproveite também para trazer alguma comida, o que já me permite poupar uns euros no supermercado. São poucas as superficialidades a que cedo, e nem poderia porque fim do mês a conta já está praticamente a zero! É ingrato e injusto trabalhar e, depois de pagas as despesas essenciais, ficar com quase nada para nosso proveito. É que, assim, até consigo perceber mais ou menos as tais pessoas que acham que mais vale não fazer nada e viver toda a vida em casa dos pais porque ao menos não se têm essas responsabilidades e os luxos acabam por ser os mesmos. 


4 comentários:

  1. E suponho que vivas num quarto! É praticamente impossível ter uma casa só para nós com um ordenado baixo.

    ResponderEliminar
  2. É muito complicado sim, até porque só a renda de um apartamento, ou quarto, é um balúrdio e o que sobra tem de ser bem esticadinho...

    ResponderEliminar
  3. Entendo-te. Eu divido a renda com a minha mãe e pego mais algumas despesas. Não lhe peço 1€.

    ResponderEliminar