quarta-feira, maio 28, 2014

Pensar a sério, pelo menos por um bocadinho.

Não sou partidária. Sou de esquerda. Não vejo interesse em ser outra coisa. Confesso que me é difícil respeitar opiniões de direita. Quando ouço certos comentários dá-me simplesmente vontade de esbofetear a pessoa que tenho à frente. O que é contraditório, já que sou de esquerda e, por isso, liberal e não conservadora. Seja como for, não gosto de conservadores. Assustam-me! Por muito leves que sejam as suas ideologias. Mas o que me assusta ainda mais é observar o que se passou nestas eleições europeias. As eleições que toda a gente acha que não servem para nada e, por isso, nem vale a pena levantar o rabo do sofá. Mas não foi tanto a abstenção que me assustou. O que me assusta neste momento é perceber que, em grande parte dos países, aqueles que se deram ao trabalho de sair de casa para votar, foram precisamente pessoas de direita. Pior, de extrema-direita! É inacreditável que uma coisa destas tenha acontecido em pleno século XXI! E o que me preocupa ainda mais é que tão pouca gente tenha a verdadeira noção do que isto significa. Afinal é muito mais importante pensar sobre o que se vai almoçar e de que forma vão tirar uma foto p'ra informar os amigos do facebook acerca da ementa. Mas mesmo tirando a foto, guarem um pouquinho de tempo para pensar. Pensem como é que tantos países elegeram deputados de um partido que foi responsável pelo maior crime da humanidade! O que é que se está a passar na cabeça destas pessoas? Juro que começo a desconfiar da inteligência da espécie humana! Porque pessoas que fazem isto só podem ser acéfalas! E, se assim for, bem merecem líderes de extrema-direita! Há uma frase que gosto muito e que diz que cada povo tem o governo que merece. E não é verdade? Não somos nós que votamos? Não somos nós que elegemos, legitimamente, quem nos representa? Somos! Mesmo quem não vota está a eleger quem ganha. Portanto, gentinha que  vai, conscientemente, votar num partido extremista, racista, anti-semita e xenófobo, não merece mais do que ser vítima dessas atrocidades! Porque, caso não se lembrem, o Hitler também foi legitimamente eleito. Há coisas que me revoltam profundamente, mas o que aconteceu nestas eleições já me ultrapassou esse patamar. 

9 comentários:

  1. Pensem como é que tantos países elegeram deputados de um partido que foi responsável pelo maior crime da humanidade!

    Sou contra essas votações de extrema-direita, mas nesta frase estás a inventar.


    Já agora, em Portugal, 12.7% das pessoas que foram votar, votaram num partido que apoia regimes ditatoriais, países esses, que todos os dias violam às claras os direitos humanos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A palavra "partido" não foi a melhor escolha. De resto, não é inventado, dependendo do que se considere o maior crime da humanidade. A tua segunda frase também uma invenção. Estamos a falar desse partido em Portugal, não estamos a falar no resto do mundo. Mas sim, tens toda a razão no que respeita à questão dos regimes ditatoriais e da violação dos direitos humanos. Nenhuma forma de extremismo é boa, seja à direita ou à esquerda.

      Eliminar
    2. Tens que ler melhor então, eu disse, "em Portugal".

      Eliminar
    3. O que eu quis dizer foi que as ideologias desse partido em Portugal não são as mesmas que noutros países do mundo.

      Eliminar
    4. Uuugh, como se o Mao, o responsável pelo maior extermínio de sempre, fosse de direita
      Ahahahah

      Eliminar
    5. Um beijinho para ti! ;) muah

      Eliminar
  2. Então porque é que o partido se comporta como se fossem subordinados desses ditadores? Só o facto de usar comunista no nome é uma vergonha, tendo em conta os também crimes contra a humanidade que os partidos comunistas da antiga união soviética praticaram.

    Essa justificação das ideologias serem diferentes aplicam-se também aos "partidos" que tu referistes acima em relação aos crimes contra a humanidade do passado.

    ResponderEliminar
  3. Tens razão, por exemplo, a mim preocupa-me o facto de o UKIP ter ganho as eleições daqui em Inglaterra visto que querem que a Inglaterra deixe de pertencer à União Europeia.

    ResponderEliminar
  4. Esclarecimento de uma historiadora: o que aconteceu não tem nada, nadinha, de surpreendente. O Hitler foi eleito. E sabes porquê? Sobrevivencia. Em tempos de crise, surge a urgencia de um pulso firme, alguém de aspecto austero e discurso confiante. Quem tem sempre soluções seguras? (ainda que duras). Extrema-direita. Para pessoas perdidas, nações engolidas pelo medo, o discurso de extrema-direita é sempre mais aliciante, acalma mais os nervos. E infelizmente, neste século XXI tão rápido, cheio de redes sociais, achas que alguém tem o descernimento de se lembrar do Holocausto? Passado é passado. Quando digo que me formei em História todos torcem o nariz e dizem "isso não serve para nada". Logo, achas que alguém aprende com o passado? O povo tem medo, a União Europeia foi / é uma coisinha tonta e os perdidos e desesperados agarram-se a quem lhes parece mais rigido, capaz de colocar tudo na linha. Historicamente, prevê-se a dominação da extrema-direita em poucos anos. Medo...

    ResponderEliminar