quinta-feira, julho 03, 2014

aprender, aprender, aprender.

Na altura da faculdade, quando tinha exames ou trabalhos que requeriam pesquisa e estudo, uma das minhas partes favoritas da tarefa era organizar toda a informação disponível, fosse em papel ou em formato digital para, depois, me poder lançar ao trabalho em si. Organizar-me faz-me sentir mais focada e motivada. Dá-me a sensação de que já estou a avançar e que o que estou a fazer tem algum propósito. Ultimamente são poucas as oportunidades que tenho tido para me organizar, para me focar e para me motivar. A verdade é que praticamente não tenho tarefas em mão, e as que tenho são tão pouco estimulantes que, simplesmente, me fazem sentir ainda mais inútil. Esta pode ser considerada a tal conversa da praxe, de que não há vida como a de estudante. Mas não é disso que se trata. Não tenho saudades da época de exames, das frequências, dos trabalhos de grupo ou dos professores aborrecidos que pedem tarefas sem sentido. Não é disso que se trata. Trata-se de ter estímulo intelectual. É disso que sinto a falta. Tenho tantas, mas tantas saudades de aprender! Há uns tempos fiz uma formação de dois dias. Foram apenas oito horas, mas souberam-me tão bem! Estar a li, a ouvir, a pensar, a reflectir, a ter oportunidade de debater o tema com outras pessoas. É disto que sinto falta! Daquela alegria causada pela motivação, pelo entusiasmo preenchido. É uma sensação boa que só consigo descrever assim. E é disso que preciso. Este mês vou inscrever-me noutra formação, são apenas mais algumas horas, mas já é qualquer coisa. Melhor do que passar horas diárias a fio, fechada no mesmo espaço, sem nada que fazer, à frente de um computador cujas janelas deixam rapidamente de ter interesse. 


5 comentários:

  1. acho que fazes muito bem, temos que nos estimular intelectualmente!

    ResponderEliminar
  2. o saber não ocupa lugar, não é verdade? Acho que fazes muito bem!
    :)

    ResponderEliminar
  3. Mas não estavas a estagiar?

    ResponderEliminar