quarta-feira, janeiro 21, 2015

trabalho, saúde e amor.

Podia escrever um longo texto sobre o porquê de cá não vir há praticamente um mês mas não me apetece fazê-lo, tal como não me apeteceu vir cá antes. Ou houve momentos em que apeteceu mas, simplesmente, não tive oportunidade ou inspiração suficiente. Hoje, numa terceira tarde consecutiva passada no sofá/cama devido a um senhora gripe, dei por mim a revisitar os vossos espaços e a dar por aqui uma pequena reviravolta. Quero muito que a vontade venha para ficar e que a oportunidade também ajude. Pois bem, 2015 já vai com 21 dias, que é como quem diz que estou há 21 dias desempregada e que faço parte das malditas estatísticas. Para já, à excepção do facto de me sentir como alguém em prisão domiciliária que tem de se apresentar quinzenalmente na esquadra para cumprir com o termo de identidade e residência (só que neste caso é no IEFP e para provar que ando à procura de alguma coisa para fazer), esse adjectivo não me tem incomodado muito. Prefiro e tento, por enquanto, manter a perspectiva de que estou apenas numa fase de transição e que, não tarda, o governo poderá soltar a notícia de que há menos um desempregado neste país. Não tenho estado grande tempo parada, o que não me dá grande tempo para pensar. Ainda assim, já começo a sentir que estou a fazer pouca coisa de útil. Candidatei-me a algo que gostaria muito de fazer, mas até agora não obtive resposta e creio que já não vá chegar. Neste momento, a única alternativa (racional) que me surge não corresponde exactamente aos meus desejos. Mais uma vez, tento pensar que há que começar por algum lado e que, na vida, cada coisa surge a seu tempo. Frases que às vezes ajudam e às vezes não. 
Mas nem tudo é tão sombrio neste novo ano. A verdade é que na passagem da meia noite, com as passas na mão e pronta para pedir 12 desejos ali na hora, pedi apenas três. Três coisas apenas que, apesar de tudo, são imensamente importantes e que, naquele momento, dei conta de serem a única coisa que realmente quero e preciso. Trabalho para mim e para a minha família, muita saúde e poucos sustos sobre tumores e afins, e amor, em todas as formas. As pequenas coisas que surgirem ao longo do ano serão bem-vindas mas, no fundo, não há nada que nos faça mais falta (a mim e a todos nós, acredito) do que estas três coisas. Portanto, e apesar de vir com 21 dias de atraso, o que desejo para mim, é o mesmo que vos desejo. Trabalho, saúde e amor, sem qualquer ordem específica de importância, mas que venham as três!


8 comentários:

  1. Tens toda a razão, essas são três coisas essenciais, principalmente a saúde, pois sem ela, nada feito! Desejo-te o mesmo a ti, espero sinceramente que consigas concretizar os teus objectivos e que o trabalhos que tanto queres chegue muito em breve!

    ResponderEliminar
  2. Quando menos esperares a sorte volta a bater te a porta... Sei como é esse sentimento de estar em casa a tentar não pirar, mas há de surgir uma nova oportunidade!! Esses são os desejos que costumo pedir sempre... Coisas simples mas que preenchem uma vida.
    Boa sorte!! Beijinho

    ResponderEliminar
  3. boa sorte e força a encontrares trabalho :) desejo-te o melhor

    ResponderEliminar
  4. É o que mais desejo! Sem dúvida! Vamos conseguir!

    ResponderEliminar
  5. Espero que seja mesmo uma fase de transição e que encontres aquilo que melhor se adequa a ti em pouco tempo. Um beijinho e as melhoras

    ResponderEliminar
  6. De certeza que uma melhor fase irá chegar!
    um grande beijinho minha querida*

    ResponderEliminar
  7. foram esses os meus desejos, simples e que dizem tudo. sem isso, ou sem uma das partes não conseguimos ser felizes. espero mesmo que os teus [meus] desejos se realizem. vai ser uma fase de transição Jude, és uma menina com muito para dar!

    ResponderEliminar