sábado, dezembro 05, 2015

sorting out feelings.

Hoje é o Dia Internacional do Voluntário. Sou voluntária nesta fundação há dois meses e meio (o tempo esta a passar incrivelmente depressa!) e o que posso dizer desta experiência é que esta a ser, de longe, das melhores da minha vida. Ok, a minha vida não é assim tão longa ainda e, tendo seguido o percurso normal de terminar a escola, entrar na faculdade, terminar o curso e trabalhar, não houve lugar para grandes aventuras. Daí o facto de nas semanas que anteciparam a minha vinda ter começado a sentir que alguma coisa estava em falta. Não foi fácil decidir ser voluntária a tempo inteiro por seis meses. Uma coisa é ter um emprego e ser voluntário nos tempos livres; outra, bem diferente, é ser voluntário sem ter emprego e, pior, sem ter uma poupança com que contar. Felizmente este programa cobre os custos das viagens, do alojamento e da alimentação. Não há dinheiro para mais, mas também é um bom exercício para aprender a viver apenas com o essencial. Nestes últimos tempos tenho tido que me virar apenas com a roupa que coube na minha mala, com três pares de botas, sem livros, sem os objectos pessoais e o conforto a que estava habituada em Portugal. E, adivinhem? Ainda assim têm sido tempos imensamente felizes. Não tenho luxos, mas sinto que o meu dia-a-dia vale a pena. Sinto que o meu trabalho tem sentido. Conheci pessoas de muitos países, imensamente ricas no seu espírito e que me estão a tornar, também a mim, mais rica. Todos os dias, quando chego ao centro e as crianças correm para mim, gritam o meu nome, me abraçam e me puxam para me beijar, o meu dia fica feito. Não ganho dinheiro mas, para mim, ter ganho a confiança delas vale muito mais. Foi uma conquista. Nos primeiros dias muitos deles não toleravam sequer que lhes tocasse - é o que acontece quando não existe alguém para fazer o papel decente de pais e com quem estabelecer uma relação de segurança. Agora são eles que procuram o meu afecto. Ainda não os atingi a todos, mas lá chegarei. Cada dia é um dia melhor que o anterior. E a verdade é que, no fim de contas, tenho a sensação que, apesar de ser eu a voluntária, ganho muito mais do que eles, enriqueço muito mais a todos os níveis. Quem daqui também faz voluntariado de certeza que conhece essa sensação e, os que não fazem, pensem sobre isso. Tentem, experimentem! Encontrem uma causa que vos faça sentido e podem ter a certeza que a vossa vida ganhará outro sentido.


4 comentários:

  1. deve ser fantástico! fiquei de coração cheio ao ler as tuas palavras e adorava ter uma experiência assim.

    ResponderEliminar
  2. Já me passou pela cabeça fazer o mesmo que tu...desde sempre que tenho em mente fazer voluntariado internacional...infelizmente, este não é o melhor momento por causa dos acontecimentos dos últimos tempos...mas, um dia, vou conseguir concretizar este meu objectivo!

    ResponderEliminar
  3. deve ser uma experiência incrível!

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida! Adorava meter-me num projecto desses. Aliás, tenho um grande sonho que é fazer voluntariado internacional em países africanos. Mas ainda estou a cumprir o mesmo "percurso típico" a que te referiste e, até terminar, não poderei pensar nisso.

    ResponderEliminar