segunda-feira, março 14, 2016

ainda é.

Quatro meses e seis dias depois daquele primeiro beijo, e numa decisão que tomei apenas esta manhã, acabou. Já não somos namorados, mesmo que ainda sintamos o mesmo amor que sentíamos ontem à noite. Mas o amor, como alguém disse e bem, não chega. É apenas parte da equação. Foi a distância sim, mas foram também as circunstâncias, a inexistência de uma previsão para nos voltarmos a ver, as emoções menos boas que começaram a surgir à conta dos quilómetros que nos separam, os fusos horários que não nos permitem comunicar sem agenda e a comunicação que, obviamente, não era a mesma. Passámos quase quatro meses a vermo-nos todos os dias, a estar juntos todos os dias, a dormir juntos, a conversar, a rir, a sermos tão felizes. O amor, lá está, precisa disso. Pelo menos o nosso. Confesso que resistir apenas duas semanas à distância pode parecer muito pouco, mas não foi porque não ia resistir mais. Provavelmente iria, mas estava bem presente que iria acabar de qualquer maneira. Pelo menos três anos vão e iriam estar no nosso caminho, a separar-nos. Porquê prolongar e deixar que fossem outros motivos a acabar com tudo? Os motivos errados? Este é o motivo certo para acabar e, mesmo soando estranho, sentimos que é melhor assim, terminar antes de começarem as inseguranças, as discussões e, eventualmente, a raiva e o rancor que, esses sim, destruiriam o amor. Terminamos assim, ainda com muito amor, mas sem zangas, sem acusações, sem ressentimentos ou cobranças. A nossa história foi bonita e feliz de mais para que a deixássemos destruir. E ficamos assim, amigos que se amam e que um dia, quando finalmente se reencontrarem, não vão ter de fingir que não se conhecem.



7 comentários:

  1. E foi lindo. Adorei ler tudo o que tinhas para contar, adorei ler a evolução do vosso amor. E acaba de forma digna, amorosa diria eu, com respeito. Adoro ler-te como sempre :)

    ResponderEliminar
  2. Ai pá, fico emocionada. Raios partam a distância :S

    ResponderEliminar
  3. Há amores que, apesar de durarem pouco, duram para sempre, se mais não for, nas boas recordações que ficam...

    ResponderEliminar
  4. Ao menos foi consciente, acabou de forma bonita e sem ressentimentos. O que importa é que aconteceu!

    ResponderEliminar
  5. Quem sabe, um dia, a vida não volta a unir-vos?
    Pelo menos ficaram amigos, sem mágoas, e ficaram com o melhor da vossa relação.
    Força! ♥

    ResponderEliminar
  6. A vida tem destas coisas, mas acredito que quando a há amor a vida encarregasse de o juntar =) Beijinhos

    ResponderEliminar