segunda-feira, maio 30, 2016

Das partidas que a vida nos prega.

Na minha busca por emprego decidi estender a minha procura além fronteiras. Registei-me no site da EURES e fui enviando candidaturas para algumas vagas no estrangeiro em que necessitam de pessoas fluentes em português. Apesar de não querer desistir da minha área, fiz a difícil aceitação de que, para já, não é a área que me vai permitir ser independente. A vida é feita disso mesmo, e às vezes é necessário ir por um caminho mais longo para chegar onde queremos. Sendo assim, e uma vez que estava a abrir portas a outras áreas, resolvi também abrir portas à Europa. Afinal, para não trabalhar na área e ser mais um trabalho temporário, prefiro fazê-lo num contexto que me dê mais oportunidades. Ao contrário do que acontece por cá, há muitas vagas lá fora que não exigem experiência o que, no meu caso, é uma mais valia. Se quisesse trabalhar em Portugal sem experiência o mais provável seria acabar num supermercado ou num call center, o que me abriria portas para trabalhar noutros supermercados e noutros call centers, a ganhar o ordenado mínimo ou pouco mais e a impedir, mais uma vez, a  minha emancipação. Não me interpretem mal porque eu reconheço que são trabalhos dignos, mas o nosso contexto não nos dá muitas saídas assim que enveredamos por esses caminhos e, enquanto tiver outras opções, vou correr atrás delas.
Tudo isto para dizer que a vida resolveu brincar comigo e, surgiram-me duas propostas do mesmo país e da mesma cidade. Sim, se calhar até conseguem adivinhar - as duas vieram de Bucareste, na Roménia. A uma delas disse que não após saber as condições, mas a outra tem condições bastante atractivas, que não encontraria por cá de certeza, e prossegui com o processo de recrutamento. Passei a todas as entrevistas e tive a última, com a team leader, no final da semana passada. Agora ando aqui em pulgas para que me liguem com o sim ou o não. Antes estava relativamente confiante, até porque assumi que não houvessem assim tantos portugueses a considerar a Roménia como opção, mas agora, que eles ainda não disseram nada, começo a pensar que não me vão aceitar e mal consigo controlar a ansiedade. Torçam por mim!

9 comentários:

  1. Infelizmente portugal não sabe tratar bem dos seus cidadãos, há que procurar quem o faça fora! Espero que corra bem!

    ResponderEliminar
  2. Eu estou a torcer por ti... (e secretamente por um reencontro que me parece que mereces :x)!

    ResponderEliminar
  3. Também estou a torcer por ti! Espero que vás. E rápido!

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Ainda não, Maria! :( Tenho receio de que já não me digam nada...

      Eliminar
  5. Eu cá acho que está no papo ;) acredita em mim, que eu raramente falho nestes palpites!

    ResponderEliminar
  6. Força! Estou a torcer por ti :)

    ResponderEliminar