domingo, outubro 02, 2016

sorting out feelings.

É meia-noite e foi agora que senti vontade de escrever. O dia hoje não foi fácil. Não que tenha sido difícil, mas as lágrimas atingiram-me várias vezes, sem eu saber bem porquê mas, ao mesmo tempo, com uma ideia bem clara acerca do motivo. Ontem à noite um colega de trabalho fez-me sentir um falhanço. Sei que não o fez por mal e nem sequer o censuro. É um miúdo com 20 anos que já planeou a via até aos 35. Por muito que deseje que os planos dele se concretizem, chego a ter pena dele por tantas certezas que tem. Mas sei que também já fui assim. Ao ver-me com 26 anos, solteira e sem uma carreira, ele também tem pena de mim. Nunca o disse por estas palavras, mas já o demonstrou com muitas outras. Orgulho-me de mim mesma por ter uma auto-estima saudável e por nunca levar muito a peito os comentários, mas confesso que hoje, de cada vez que as lágrimas teimavam em cair, foram as palavras dele a causá-las. Ele não me conhece. Vê apenas aquilo que me permiti mostrar às pessoas que conheci há pouco mais de três meses. Ele é o típico miúdo que ainda acredita que basta querer muito para as coisas acontecerem. Ainda não se apercebeu que a vida, às vezes, acontece à margem do que desejamos. Quando lhe disse isto, acusou-me de ter desistido dos meus valores, quando eu sei que os meus valores vão sendo alimentados a cada dia que passa. Sei-o porque, a cada dia que passa, sinto uma maior indignação e tristeza com as injustiças que vejo à minha volta. Mas sim, ele fez-me sentir que estou a falhar. Ou talvez eu já achasse isso antes acerca de mim mesma. Estar longe não tem sido tão fácil como da primeira vez, e há dias em que tudo o que queria era voltar ao que me é familiar. Não creio que tenha só a ver com o país. Tem a ver com o contexto. Da primeira vez entreguei-me de corpo e alma ao trabalho que estava a desenvolver. Desta vez, não tenho alma para entregar porque este trabalho não é mais do que ajudar uma grande empresa a ser ainda maior. Mas lá está, a vida, às vezes, acontece. Há três meses atrás não tinha dinheiro para comprar um bilhete de autocarro. Hoje tenho dinheiro para comprar uma viagem de avião que espero gastar para visitar o meu país. Há três meses atrás, queria um trabalho que me permitisse ajudar, ser útil, tornar o mundo um lugar melhor. Hoje tenho um trabalho em que, apesar de gostar do ambiente à minha volta, não faço diferença nenhuma, não ajudo ninguém além de pessoas que já estão muito bem na vida. Dinheiro não vem de boas intenções. É uma pena que precisemos dele para viver. 

11 comentários:

  1. Só para te deixar um abraço virtual. Tudo há-de melhorar!

    ResponderEliminar
  2. Só para te deixar um abraço virtual. Tudo há-de melhorar!

    ResponderEliminar
  3. Também sou um bocadinho como ele: tenho planos em larga escala e já bem definidos para os anos seguintes. Mas sei, por experiência própria, que não dá para fazer este tipo de planos e seguir com eles. Nem tudo depende de nós. Tenho 24 anos (quase quase), não tenho emprego, não tenho nada de verdadeiramente meu. Se era assim que me imaginava aos 24? Não, de todo. E sei que todos os outros planos dependem muito da forma como estou hoje, então todos terão que ser adiados. Não é fácil chocar com a realidade, mas se tivermos consciência do que nos falta, do que ainda temos pela frente, um dia o nosso momento chegará. Não fiques triste com isso. Não percas tempo a pensar nisso. A tua vida está a acontecer agora, aproveita o que tens! Um dia, algo melhor e mais à tua medida te irá aparecer, tenho a certeza! Força!!! E se precisares, estou aqui sempre.

    ResponderEliminar
  4. Sonhar é fácil. viver é que, por vezes é difícil. Não fiques triste com o que diz esse teu colega. É demasiado jovem para conhecer a vida mas a vida vai-lhe dar essa oportunidade de ele a conhecer verdadeiramente. Ele parece ser uma pessoa ambiciosa, que não quer saber dos meios para atingir os seus fins. É pena pq é jovem e a vida é muito mais que fazer dinheiro. Continua a ser o que tu és e agarra o teu emprego. Com o dinheiro que ganhas dele podes desenvolver outras opções que são mais à tua medida. Ter emprego/trabalho é difícil nos dias de hoje e há que o agarrar pois ainda tens muito a viver. bjo e força e coragem para tudo.

    ResponderEliminar
  5. Percebo o que estás a passar, também ando nessa fase. Tenho tantos sonhos mas sei que muitos não se vão realizar, não que dependa de mim mas também das circunstâncias da vida. Também queria muito fazer uma diferença neste mundo torna-lo num lugar melhor, mas o que estou a fazer é ajudar o patrão da empresa a meter mais dinheiro ao bolso. Mas lá está eu preciso do dinheiro e sem ele não se consegue viver. É muito fácil falar e criticar. Por isso, não deixes que o rapaz te afecte, ele não percebe patavina nenhuma da vida. E lembra-te da famosa frase da Eleanor Roosevelt "Ninguém pode fazer com que te sintas inferior sem o teu consentimento".

    Vá força e coragem. E não deixes que um pirralho te atormente. ;)

    ResponderEliminar
  6. Um beijinho gigante,
    As vezes não é fácil mas são fases... pode achar que não tornas o mundo melhor mas tenho a certeza que o fazes e nem dás por ela :)

    ResponderEliminar
  7. And anytime you feel the pain
    Hey, Jude, refrain
    Don't carry the world
    Upon your shoulders

    ResponderEliminar
  8. Espero que te encontres bem... :)

    ResponderEliminar
  9. O blogue acabou? É pena.

    ResponderEliminar